16 de setembro de 2010

O Príncipe e a Rosa


Respondendo ao seu comentário Vih! ;D


Seria mesmo egoísmo você desejar NUNCA perder alguém, que alguém nunca se afaste de você? Algumas pessoas acreditam que sim. Se pensarmos de uma certa forma, eu acredito que não.


O problema é a maneira como pensamos. Atribuímos o nunca perder ao ter. Queremos possuir as pessoas, como se fossem propriedades nossas. Mesmo que você não ache que é assim, se você acredita que alguém é seu, você pensa assim. Ninguém é, foi ou será de outro alguém, pois não se perde algo que nunca teve.


Mas, vamos por outro lado.


Provavelmente você já ouviu essa frase: Você é responsável por aquilo que cativas.

A partir dessa frase, podemos tirar um significado mais amplo da palavra ter.


Quando duas pessoas se conhecem, elas não sabem nada um do outro, não tem nenhum sentimento entre eles. Aí, encaixa-se outra frase: Os opostos se distraem, os dispostos se atraem.


Os opostos são todos aqueles que não tem interesse/vontade/inteligência/sentimentos de querer conhecer alguém. Dispostos... bem, a palavra diz tudo.


A partir do momento em que duas pessoas se dispõem a se atrair, elas começam a criar pequenos vínculos que os unem, começam a depositar (sem conhecimento de ambas as partes) pequenos pedaços de si, vinculando-se, “prendendo-se” à outra pessoa. Momentos, gestos, sorrisos, palavras, sons, cheiros, músicas, sentimentos... Todos temos alguma dessas coisas que nos fazem lembrar de alguém. Eu por exemplo: sempre que abraçar alguém, vou me lembrar de certa pessoa que tem um abraço maravilhoso, porque esse gesto, todos aqueles momentos, são nossos (meus, pelos menos, em relação à ela), eu pertenço à ela nesse sentido, pois minha mente sempre vai ir até onde ela estiver quando esse gesto ocorrer. Veja bem, isso nada tem a ver com sentimentos, amor ou paixão, tem a ver com o gesto/momento. Criamos um vínculo através disso. Isso também se aplica à quando eu pegar alguém no colo ou ver uma garota arrumar o cabelo ou quando eu ver uma rosa


Voltando à frase da realeza. Quando cativamos ou somos cativados por alguém, esse vínculo é muito maior e, totalmente diferente do sentimento de posse que impregnamos à palavra ter, acabamos pertencendo à outra pessoa ou “possuindo” uma parte dela.isso vale para todos: namorados, amantes, maridos/esposas, amigos, parentes, todos por quem fomos cativados ou cativamos. Isso porque cada pessoa que é importante para nós deixa sua marca na nossa vida, deixa sua marca em nós, seu momento, seu gesto e, se forem embora, acabarem saindo de nossas vidas, levam uma parte de nós junto e, por consequência, deixam uma parte dela conosco.


Ao contrario do que possa parecer, o espaço onde estava a parte levada não fica vazio. Ele está preenchido pelo que une os dois, um laço eterno que não pode ser quebrado, pois ambos foram cativados.


Por isso, é sim possível “ter” alguém para sempre e não estaremos mentindo se dissermos :”Você nunca vai me perder”. Basta apenas entendermos realmente o significado das nossas palavras.

Cuide de quem tu cativas, pois estará criando um laço mais forte do que imagina.

*1.500 visitas!!! Obrigado a todos que prestigiam meus humildes textos! Obrigado pelos comentários e apenas leituras. O importante é que vocês vieram. ;D

O que você achou?

1 comentários:

vitoria Gonzales disse...

HAHAHA , só voce com esses textos !
muito bom o texto , chorei*

Postar um comentário

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Online Project management